domingo, 7 de março de 2021

 

URINA PRETA

Clerisvaldo B. Chagas, 8 de março de 2021

Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica: 2.483

 


As notícias que percorreram o Brasil, da mulher que comeu peixe, pegou “doença da urina preta” e morreu, deixam os amantes de um peixinho assado como eu de antena ativada. A notícia vai mais além citando o nome do bicho que provocou a morte; trata-se do peixe de mar Arabaiana, muito apreciado nas Alagoas do litoral ao Sertão. Estar classificado pelo povo como da linha de frente com o atum, a cavala, o dourado. O caso aconteceu no Recife com uma veterinária, mas alertou consumidores do Brasil inteiro. O peixe contaminado com toxina, não demonstra mudança no aspecto o que leva ao consumo inocente de qualquer um. Credo em cruz doença da urina preta! Pode ser transmitida por outras espécies de peixes e por crustáceos, segundo informações.

Rememorando a pesca em Santana do Ipanema, precisamente no Poço dos Homens, poço formado por trás do casario do Comércio no rio Ipanema, dividia-se a pesca ao longo de todo o poço. Na parte mais rasa, era feita pela meninada, adolescentes e mulheres, com litros para piabas. A parte mais larga e mais profunda do poço, era dos adultos que pescavam com tarrafas e anzóis. A parte estreita, também era utilizada por adultos que pescavam com anzóis e raramente à mão, nas locas do poço. O ex-baterista Toinho, apelidado “Toinho dos Fogões” e depois “Toinho das Máquinas”, era exímio pescador de mandim, no anzol. Solitário, parecia espantar a amargura dos dias difíceis de consertador de fogões e depois de máquinas de costura, nas águas convidativas do Poço dos Homens.

Certa feita, o ex-baterista dos áureos tempos dos grandes bailes nos clubes de Santana, afirmou e cumpriu: “Não venho mais pescar. O peixe estar aparecendo com uma doença feia que forma um caroço no lombo. Acho que é câncer”. E assim, Toinho teve que complementar o pão da família de outra maneira. Era revoltado porque os políticos da época faziam-se de cego às suas necessidades. Foi o único pescador a alertar às pessoas do que estava acontecendo com a saúde dos peixes do rio Ipanema, trecho urbano. Mesmo assim, desconhecemos qualquer providência das autoridades sanitárias sobre o alerta de Toinho. Ainda hoje mais de trinta famílias fazem a pesca miúda no trecho e nada de amostra de água nem de peixe nos laboratórios, pelo menos publicamente.

E se os peixes do Ipanema, não transmitiam a tal doença da Urina Preta, talvez transmitisse coisa muito pior para a inocência das famílias e vistas grossas de quem mandava na época.

POÇO DOS HOMENS EM 2006. (FOTO: LIVRO 230/B. CHAGAS).

 


Link para essa postagem
https://clerisvaldobchagas.blogspot.com/2021/03/urinapreta-clerisvaldob.html

terça-feira, 2 de março de 2021

 

PÁSSAROS LENDÁRIOS DO SERTÃO

Clerisvaldo B. Chagas, 3 de março de 2021

Escritor Símbolo do Sertão Alagoano

Crônica: 2.481

 






     Diz uma lenda – citada pelos mais velhos no Sertão de Alagoas – que na ocasião em que José e Maria fugiram para o Egito levando o menino Jesus, foram perseguidos por soldados do rei Herodes.  Quando os perseguidores surgiam procurando pistas, o passarinho Bem-te-vi denunciava os fugitivos com seu canto: bem que vi, bem que vi. Esse é um dos motivos pelos quais o sertanejo, indiferente ou não, tem cisma a esse pássaro amarelo e preto: um traidor! Enquanto isso, o Colibri, de intenso colorido e a Lavandeira, de cores preta e branca, lavavam os paninhos de Nosso Senhor. No Sertão ninguém atira em Lavandeira, principalmente em época de Semana Santa. O beija-flor é apenas perseguido por adolescentes, com o nome de bizunga. A lenda ficou tão arraigada que parece verdadeira.

Mas o foco hoje é o Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus) da família dos Tiranídeos, “que habita em matas, campos, cidades, em todas as regiões brasileiras; é marca de alimento, de material de limpeza... E já foi nome de jornal revolucionário com partido político. Seu nome vem do tupi: pitanguá-guaçú. Ave de médio porte, mede entre 20 e 25 centímetros, tem o dorso pardo e a barriga de um amarelo vivo, uma lista branca como sobrancelha, cauda preta e pesa 52-68 gramas. Possui 10 subespécies reconhecidas. Alimenta-se de insetos, frutas, ovos e de filhotes de outros pássaros, flores de jardim, minhocas, lagartos, pequenas cobras, crustáceos, peixes, girinos, carrapatos de bovinos e equinos. Alimenta-se ainda de cupim e de ração animal encontrada na cidade, em comedouros. Pode-se dizer que é um controlador de pragas de insetos”. (Wikipédia).


O bem-te-vi é conhecido pela sua agressividade, enfrenta até urubus e gaviões quando estes se aproximam do seu território. Possui grande poder de adaptação e é um dos primeiros a cantar ao amanhecer. Gosta de voar solitário, mas pode ser encontrado em grupo de 3 ou 4 em antenas de televisão. Tanto pode estar perto de rios e lagoas quanto em áreas densamente povoadas por humanos.

Nunca encontramos em gaiolas nenhum bem-te-vi, beija-flor ou lavandeira.

Lembramos da capital alagoana, região da Serraria, quando um bem-te-vi nos despertava ao amanhecer e se despedia da tarde em torno das 16 horas. Companhia que alimentava a saudade sertaneja da terra de Senhora Santana. Você viu as minhas crônicas, Bem-te-vi?

Bem que vi! Bem que vi!

BEM-TE-VI, LAVANDEIRA, BEIJA-FLOR (Créditos: Pinterest; Wikiaves.com.br; br.depositfhotos.com, respectivamente).

 

 

 

 


Link para essa postagem
https://clerisvaldobchagas.blogspot.com/2021/03/passaroslendarios-do-sertao-clerisvaldob.html